quarta-feira, 18 de agosto de 2010

encontro com o meu pôr-do-sol

Ontem saí para me encontrar com o meu pôr-do sol...da minha janela vi que parecia especial...
..estavam ainda várias pessoas na praia, por isso, meti pés na areia e fui à procura do estar só...
estava uma atmosfera diferente...a verdade é que nunca são iguais...o ar estava carregado e de sol só um bocadinho...por detrás das nuvens, lá do outro lado do mar, ele devia estar a brilhar ainda...
o lado norte estava mais aberto...havia várias camadas de nuvens, a várias alturas e de várias cores ....de longe a longe o azul do céu... alaranjadas, amarelas torradas...cinzentas e negras....as nuvens pareciam uma terra arada, sulcada pela charrua, que a revolvera e lhe abrira as entranhas...e também como que pó arrastado pelo vento... do sol apenas e sempre uma réstea...ao longe um barco...um barco de ouro, num mar dourado...um barco no mar faz sempre a diferença...tanto pode estar a partir, como a chegar.....associo sempre a partida à tristeza e a chegada à alegria...


Gosto de andar pela praia, não gosto de fazer praia...
- quando era pequena ia com a minha Mãe... iamos apanhar beijinhos e conchinhas..havia muitas...eu brincava com as conchinhas, pedrinhas de cores e beijinhos e ela devia pensar nos seus problemas e preocupações....muitas vezes me apercebi que respondia às minhas chamadas de atenção para os meus olha apanhei mais um, com um sorriso..agora acho que era um sorriso distante das minhas conchinhas...



....certa vez, tb num dos nossos passeios, estivemos à espera que o sol, ao pôr-se, coincidisse com um barco que ia a passar...assim foi... e nunca mais me esqueci...só voltaria a ver assim uns anos mais tarde...mas n foi tão bonito...já não tinha aquela mão forte e suava a agarrar a minha.....e se os meus olhos se deslumbraram foi com a recordação, mais que com a visão......
...quando ia passear na praia esperava sempre encontrar alguma coisa especial..nos primeiros anos eram as cochinhas, as pedrinhas e os bejinhos...
depois esperava encontrar uma pedra em forma de coração, quem sabe se um anel perdido arrastado pelas ondas...uma garrafa com uma mensagem de amor...

...agora continuo a procurar o sonho, vivo os meus sonhos... também procuro a paz...o estar só, o sentir-me viva e a mexer, continuo a procurar os porquês, a lavar os meus olhos naquela extasiante imensidão, a sentir a saudade salgada ...
...encontro sempre um momento, uma coisa especial para a minha máquina ..juntas esqueçemos tudo, as horas, o espaço, o cansaço, muitas vezes a dor...  por ali fico até que a noite chegue....
.....regresso sempre a prometer voltar, sempre a olhar para trás...sempre a dizer até amanhã.....


há muito ..muito tempo....