quarta-feira, 14 de julho de 2010

...Pablo....






 Pablo...tenho tantas coisas para te dizer, que nem sei por onde começar..talvez por começando por te dizer o quanto lamento se não te consegui transmitir todo o carinho, toda a admiração, todo o amor que senti e sinto por ti. Por estes quase 12 anos que me aturaste, que me acompanhaste, que me recebeste sempre de braços abertos, esfusiante, mesmo quando já estavas tão doentinho...
sempre me senti, nos sentimos todos, muito orgulhosos de ti, não só porque eras lindo, mas porque te portavas bem, eras afável com toda a gente, com todos os animais, mesmo com aqueles que te eram hostis e te queriam morder.Eras tão obediente..mesmo quando já não ouvias tinhas o cuidado de estar sempre a olhar para nós, para saberes o que devias fazer, perceberes o que te queriamos transmitir...sempre nos percebeste. Seguias-me para todos os lados e deitavas-te aos meus pés, como quem me diz: estou aqui, não estás sózinha.
quando saíamos ias à porta acompanhar-nos como quem diz: vai e volta, eu estou aqui à tua espera. Se iamos se férias sem ti deitavas-te triste ao pé das malas, como quem diz...vais embora sem mim. E quando nos despediamos não abanavas o rabinho nem te levantavas para nos acompanhar....
ainda sinto o teu caminhar, as tuas patinhas atrás de mim pela casa toda..tiveste sempre um ar de cãozinho pequenino, amdavas aos saltinhos e quando abanavas a cauda todo o teu grande corpinho abanava todo, como se só o teu rabinho não nos conseguisse dar a dimensão da tanta alegria que sentias ao ver-nos...
sempre deixaste os teus amigos comerem antes de ti, nunca roubaste nada, sempre foste tão gentil, tão calmo...poderiamos ir contigo até ao fim do mundo, porque sabiamos que te portarias sempre bem e estarias à altura do que esperavamos de ti. Eras um cachorro atento e discreto..sabias quando eu estava triste e vinhas lamber-me como quem diz, estou aqui...tem calma..vai passar...Creio que se contarm pelos dedos de uma mão as vezes que te ralhei...Estiveste ao meu lado até ao último dia..lamento se te falhei nalguma coisa...
foste um cão muito saudável....surpreendeu-te o pior dos males, o pior dos piores...lutaste ao nosso lado todos os dias, por mais um dia, um dia de cada vez...quatro meses, quando te davam no máximo pouco mais de 15 dias....até que nos disseste que já não podias mais...
...ajudamos-te a partir...desejamos que tenha sido no momento certo...
Obrigada Pablo...quem me dera encontrar-te um dia...ficarás para sempre no nosso coração, como uma das coisa mais belas que um dia já tivemos e que será insubstituível....

Até sempre meu Querido...












6 comentários:

rosario disse...

Amor à primeira vista!
Não sei.

A partir desse dia crescemos juntos. Lembro-me, tinha eu 20 anos quando senti o apelidado amor à primeira vista. Por um instante o nosso olhar entrelaçou-se e eu subitamente e inesperadamente apaixonei-me. Recordo-me desse momento com tal pormenor, como se estivesse a revive-lo no aqui e no agora. Desse dia em diante toda a minha vida mudou. Aprendi contigo mais do que podia imaginar. Anos repletos de amor, de ensinamentos, de amizade, de cumplicidade, de veracidade, de pureza, enfim uma humilde e estranha forma de amar. Tive o privilégio que poucos têm, ou já tiveram, de saber o que é ser amada incondicionalmente. Penso que também te amei infinitamente e desmedidamente. Talvez por isso, inconscientemente, não tenha cumprido o prometido e te tenha feito sofrer. Perdoa-me…

AuroraBoreal disse...

Obrigada Rosarinho...n sei que te diga...creio que está tudo dito..
foste tu que o escolheste e foia a ti que ele também escolheu..eu vinha a seguir:) fico muito feliz por o ter tido...apesar de o termos perdido..foi melhor que nada
bjnhs querida

sandra disse...

e às vezes deitava-se no chão a rebolar, em cima dos nossos pés como quem diz "yay! estou a brincar"... enorme, pesado mas como se fosse pequenino, de colo :)
e era doce e simpático,
e não há quem o tenha conhecido que não se tenha apaixonado.
e era hiper tolerante, mesmo quando se sentavam em cima dele e quando lhe diziam que ele ia para o forno.
e ainda não sei como é que vou dizer à su onde é que ele foi.

AuroraBoreal disse...

obrigada Sandra..gosto muito do que nos deixas aqui..
ontem enquanto estava cá comigo a sofia falou várias vezes do Pablo..limitei-me a dizer que não estava...
...é demasiado complicado, é de uma grande responsabilidade falar disto a uma criança, sem mentir mas também sem lhe dar imagens ambíguas ou que de alguma forma ela associe e até a possam influenciar mal se tiver algum momento menos bom na sua vida e se veja num beco que a ela lhe pareça sem saída....vamos esperar, vamos vendo..não sei que mais te diga...quisera saber dar sempre as melhores respostas...
beijinhos Sandra

Ⱥndrэia disse...

Emocionante descrição...lamento imenso...

AuroraBoreal disse...

muito obrigada Andreia...

tenho mais 6...gosto de todos..uns com umas características, outros com outras, como nós..
todos diferentes... como nós...
o Pablo era especial...como alguns de nós...