sexta-feira, 9 de outubro de 2009

ontem perdi-me

nas horas , perdi-me naquele imenso cair de tarde, quando numa limpidez atmosférica o céu e o mar tinham a mesma cor, o mesmo brilho, a mesma imensidão que nos faz saltar para lá da razão e do imaginário, que nos faz ficar gratos por ter nascido e continuar vivo....
à excepção de dois ou três pares de namorados, que iam e vinham, estive só, só é uma maneira de falar, porque tinha a minha máquina que disparava compulsivamente e contigo ao meu lado, com vinte anos...gostei tanto da nossa conversa:)eu sei que mesmo quando não estamos fisicamente juntos, estamos sempre espiritualmente à distância de um milionésisisimo de segundo...lembrei-me dos nossos passeios sempre curtos, no nosso Pinxa, o 2 cavalos cinzento, todo forrado por nós a escocês verde e azul, com aquela casca de árvore onde escreveste o teu nome e colaste no tabelier no sítio onde por lei tinha de estar ..o Rui, que já Lá está, ajudou-nos forrá-lo... ligavamos o rádio a pilhas, que só dava com a antena de fora, por isso andava sempre pendurado perto da porta, no sítio onde a capota tinha um buraquinho, que tu engenhocamente envaixavas no para sol e colavas com adesivo:).. ao menor pinxo caía-te na cabeça e riamo-nos muito...
não víamos muitos pôr-de-sol..às 7 da tarde eu tinha que estar em casa, sempre contrariada e cheia de vontade de chegar aos 21 e ter o meu próprio dinheiro no bolso....
com 20 e poucos escudos no bolso, para gasolina café e tabaco, os nossos passeios eram curtos mas humorísticos... e daquela vez que achamos que a capota estava muito desbotada e resolvemos comprar tinta para a pintar??? correu lindamente e ela ficou pretinha que era um gosto!! todos os nossos amigos noe elogiaram, sempre polidinho e limpo, com aquela capotinha preta de fazer inveja, sentiamo-nos como príncipes como se em vez de o mais pequenino dos citroenes, fosse um Sr.Exmo. Citroen Masaratti...pois :) o pior foi que um dia choveu e a nossa capota largou a tinta toda, ficamos com um carro preto e uma capota que mais parecia uma pele de vaca, por causa das manchas..ah..tanto trabalhinho....e aquele maldito furo às 11 da noite, quando eu devia já estar em casa..o 2macaco bem tentava subir o carro para midar a roda..mas nada...tu fulo porque querias pôr-me em casa a horas decentes ( ou seria para ires ter com os teus amigos???? - nunca tirei isto a limpo...)a certa altura um de nós abriu a porta e o macaco estava em cima do banco ahahahahahah..tiveste um ataque de nervos e eu..para teu desespero , ria-me a bandeiras despregadas...tivemos de levantar o carro a peso :) depois fiquei eu a segurar, com os tacões dos sapatos de alavanca na esquina do passeio e os ombros e os braços a segurar o tejadilho para não cair, para tu poderes mudar o pneu...acho que foi aí que comecei a ter problemas de coluna ahahahah - quando cheguei a casa só faltava à minha Mãe ter telefonado para os bombeiros e os hospitais..todos os pais dos meus amigos ficaram a saber que eu ainda não tinha chegado a casa..felizmente a minha Mãe acreditava em nós...as petas que lhe metia eram muito santinhas e ela deixava-as passar...
quis com isto dizer que estive a fotografar o pôr-do-sol mas sempre contigo, senão teria talvez tido medo de toda aquela escuridão e que me viessem roubar a máquina...temos de lá voltar um dia destes, quando puderes vir mais cedo do trabalho:) eu sei que como dizes, alguém tem de trabalhar:):) mas vai ser bom irmos lá de mãos dadas, desta vez sem recear que alguém nos veja e vá fazer queixinhas à minha Santa Avó....

6 comentários:

Antonieta Castro disse...

Estou supreendida, és um poço de sensibilidade e segredos.....

Francisco Oliveira disse...

Gosto deste seu cavalgar de recordações... pintar a capota para a chuva a lavar... mudar o pneu com o "macaco" no sítio pôdre e "ai que é tão pesado" mas levanta-se com os músculos...
Fantástica Aurora! Comparti-lhe mais.

Bjinhos.

rosario disse...

Fico emocionada e imensamente feliz ao te ver recordar, com saudade, esse passado recheado de histórias, e acima de tudo sinto orgulho por o quereres voltar a reviver “a dois”! … Adoro-vos!!

Francisco Oliveira disse...

Estou à espera de novos contos...

Teresa Teixeira disse...

Foi uma delícia ler o teu conto!
Deve ser tão bom olhar para trás e ter estas recordações tão bonitas! E poder voltar a este sítio de mãos dadas com quem te despertou todas estas recordações... uma felicidade!!!

Beijinhos, querida amiga!

Fico à espera de mais contos...

Tozé disse...

Pois é, Aurora, recordar é viver e como dizia o meu pai, as recordações são o único bem precioso, que ninguém nos pode roubar.

Venham mais, pois as suas recordações, fazem-me lembrar as minhas.

Beijos